A França de Daniela Falcão

Todo mês, uma personalidade responde às nossas perguntas e nos conta o que a França representa para ela. Este mês, quem nos dá o seu testemunho é Daniela Falcão, diretora geral da editora Globo Condé Nast que inclue o título Vogue que ela dirigiu durante 11 anos.

JPEG

Quais são os seus laços com a França?

Via minha avó praticar francês com uma professora particular e, aos 11 anos, pedi para minha mãe me colocar na Aliança Francesa. Meu aniversário de 15 anos foi comemorado com uma viagem a Paris e já adulta sempre passava na cidade antes ou depois de conhecer algum novo destino europeu. ,Desde que entrei pra Vogue, passei a ir umas quatro vezes por ano, por conta das temporadas de desfile.

Um lugar imperdível na França?

Córsega

Qual a sua palavra predileta em francês?

“Pas mal”

Qual a personalidade francesa que você prefere?

Jean-Paul Gaultier

Qual o pior defeito e a melhor qualidade dos Franceses?

Os poucos sorrisos. O melhor é o charme, a boa conversa, o humor finíssimo.

Se você tivesse que resumir a França em um livro, uma música ou um filme, qual seria?

“La Vie en Rose”.

O gosto da França (especialidades, pratos, sabores…) ?

Um bom pot-au-feu, queijos de aromas fortes e que derretem na boca, baguettes e manteiga que valem cada caloria no café da manhã, vinho branco ou rosé com gelo (piscine) no verão.

Como você descreveria a França em três palavras?

Hedonista, intelectual, libertária.

Qual o seu cantinho francês preferido no Brasil?

O Ici Bistrô e a Ami Crepêrie.

Para você, o que simboliza o laço entre a França e o Brasil?

Acho o Rio de Janeiro a cidade mais francófona do País. O despojamento das cariocas também me lembra muito o das francesas.

publié le 28/03/2017

haut de la page