INSCRIRE, uma releitura de Debret por alunos e grafiteiros

Dia 9/3, o Prefeito Marcelo Crivella, o Embaixador da França Laurent Bili, e o Consul Geral Brice Roquefeuil, inauguraram o Projeto INSCRIRE na zona portuária do Rio, uma releitura da obra de Debret por alunos da rede municipal e por grafiteiros cariocas. Arte mural em azulejos pintados e grafites lembrando a história da escravidão, este projeto é assinado pela artista belga Françoise Schein é coordenado pelo produtor Philippe Nothomb.

JPEG
JPEG
O Consulado geral da França no Rio de Janeiro ofereceu uma viagem para Paris ao grafiteiro selecionado por um júri composto por críticos de arte. A artista niteroiense Lya foi premiada, parabéns!
JPEG
JPEG

Discurso do Sr. Embaixador da França no Brasil, Laurent Bili (09/03/2017)

Caros amigos,

E realmente um prazer participar hoje desta inauguração especial. De fato, não é comum inaugurar a obra de grafiteiros cujo talento é comparável ao de grandes artistas.
E igualmente um prazer para mim mergulhar mais uma vez na obra de Jean-Baptiste Debret.
Chegando ao Rio de Janeiro em 1816, com a chamada « missão artística francesa », Debret vai desenvolver um prodigioso trabalho de pesquisa, observação e documentação, para produzir no final uma obra inigualável, entre relato de viagem e investigação científica, mescla de arte, sociologia, e história.
Varias vezes, este ano, tive a oportunidade de participar dos eventos comemorativos dos 200 anos da missão artística francesa. Alguns eventos foram muito prestigiosos e marcados pela presença do nosso Presidente da Republica, François Hollande, que admirou em agosto passado as obras resultantes desta missão durante a sua visita ao Museu de Belas-Artes do Rio, e novamente em outubro em Paris, na Casa da América Latina onde foram expostas, durante 3 meses, as obras de Debret.
Eu tenho certeza de que ele teria ficado bastante impressionado por estas magníficas realizações.
O que é impactante hoje nessa releitura, é perceber o quanto a obra de Debret é atual: ela não faz parte somente do passado, ela é viva.
A escolha dessa localização, os muros do Armazém Utopia, é particularmente simbólica. Estamos a dois passos do Cais de Valongo, lugar de chegada dos escravos no Rio, e também onde Debret fez muito dos seus desenhos. Estamos no meio do Bulevar Olímpico, símbolo do futuro do Rio de Janeiro, de sua modernidade e de sua abertura ao mundo.
Jean-Baptiste Debret certamente não imaginava que as suas obras encontrariam uma tradução como essa. Mas ele ficaria muito honrado em ser um elo essencial entre o passado e o futuro, entre o Rio e o mundo.
E uma bela homenagem ao artista Jean-Baptiste Debret, que recebeu o título de cidadão honorário do Rio, dois anos atrás.
E também uma grande homenagem à missão artística francesa e aos laços culturais que unem a França e o Brasil há pelo menos dois séculos.
Um enorme agradecimento a todos que contribuíram para tornar possível este projeto.
As equipes de Inscrire, a artista Françoise Schein, e às pessoas que ajudaram a realizar esse projeto, Philippe Nothomb e Ana Ignacio, em particular.
A todos os parceiros e naturalmente aos grafiteiros, digo-lhes um grande obrigado e bravo!

Ler também: Debret revisité par les écoliers et les graffeurs

publié le 03/04/2017

haut de la page