Lançamento do submarino "Riachuelo" na Baía de Itaguaí

O projeto faz parte do plano de parceria estratégica que une a França e o Brasil desde 2008

JPEG

Na manhã desta sexta-feira, 14, o submarino “Riachuelo” foi lançado na Baía de Itaguaí, na costa verde do Rio de Janeiro. Ele é o primeiro de uma série de cinco submarinos ultramodernos construídos pelo Brasil com a transferência de tecnologias francesas de ponta e com a participação da empresa francesa Naval Group.

O lançamento foi marcado por uma cerimônia que contou com a presença do Presidente da República Federativa do Brasil, Michel Temer, da primeira-dama do país, Marcela Temer, do Presidente eleito, Jair Bolsonaro, do comandante da Marinha do Brasil, Eduardo Bacellar Leal Ferreira, e do ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna.

JPEG JPEG

Do lado francês, participaram da cerimônia o Chefe do Estado Maior da Marinha francesa, Almirante Christophe Prazuck, o Embaixador da França no Brasil, Michel Miraillet, o Engenheiro Geral do Armamento, Thierry Carlier, o Cônsul Geral da França no Rio de Janeiro, Jean-Paul Guihaumé, e o Adido de Defesa no Brasil, Coronel Charles Orlianges.

A construção do submarino faz parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), criado pela Marinha brasileira no âmbito da parceria estratégica que une a França e o Brasil desde 2008, para garantir ao país a proteção da chamada “Amazônia Azul”: uma área de 4,5 milhões de quilômetros quadrados na costa do país, que possui uma das maiores biodiversidades do planeta, por onde circulam 95% do comércio brasileiro, e que acumula 90% do petróleo nacional.

JPEG

Um dos principais desafios do projeto é monitorar os depósitos do “pré-sal”, que representam enormes reservas de petróleo localizadas em águas bem profundas, sob uma densa crosta salina, no litoral do sudeste do país.

O submarino “Riachuelo”, do tipo “Scorpène”, pesa cerca de 2000 toneladas, tem 72 metros de comprimento e é o submarino convencional mais moderno do mundo. Após esse lançamento, ele passará por uma série de testes e só deverá entrar em serviço daqui a dois anos. Os novos submarinos vão substituir os cinco submarinos convencionais que o país possui atualmente, construídos em colaboração com a Alemanha entre 1980 e 1990.

publié le 19/12/2018

haut de la page