Orgulho do MNBA, a Coleção Eugène Boudin volta a ser exposta

O acervo de 20 pinturas de Louis Eugène Boudin (1824 - 1898) pertencente ao Museu Nacional de Belas Artes é o maior em uma instituição pública fora da França.

JPEG
Eugène-Louis Boudin: Marinha - Pôr do Sol

O acervo de 20 pinturas de Louis Eugène Boudin (1824 - 1898) pertencente ao Museu Nacional de Belas Artes é o maior em uma instituição pública fora da França. Sua importância para a história da arte é seminal: Boudin é considerado um dos precursores do movimento pré-impressionista.

No dia 25 de julho, às 15 h, o Museu Nacional de Belas Artes/Ibram/MinC e o Consulado Geral da França no Rio de Janeiro, em parceria, abrem a exposição O Colecionismo no Brasil - Eugène Boudin e os Barões de São Joaquim.

Criado em 1937, o MNBA é herdeiro de uma significativa coleção doada para Escola Nacional de Belas Artes, em 1922, pelos barões de São Joaquim, casal aristocrata da cafeicultura. Naquele tempo, o Brasil passava por uma ruptura com a Semana de Arte Moderna e também se comemorava e centenário da sua independência.

JPEG
Eugène-Louis Boudin - Havre - Ancoradouro da Barra

A exposição O Colecionismo no Brasil - Eugène Boudin e os Barões de São Joaquim, reúne 24 obras, sendo 22 telas e 2 desenhos, centrada nas telas de Boudin, além de outros artistas franceses deste acervo, como Alfred Sisley, Edouard Detaille e François Bonvin, por exemplo.

Em 1874, Louis Eugène Boudin integrou a famosa exposição em Paris que deu inicio ao impressionismo, reunindo nada menos do que Monet, Renoir e Alfred Sisley, entre outros nomes de vanguarda da época, num momento de reflexão e confrontação com a arte acadêmica de então.

Suas telas retratam paisagens campestres e marinhas. Com vinte anos, Boudin iniciou seus desenhos, tendo sido posteriormente professor de Claude Monet, a quem influenciou artísticamente.

Os trabalhos de Boudin, no MNBA, percorrem toda a trajetória artística do pintor francês, cobrindo um período superior a 35 anos de sua produção.

Comentando a questão do colecionismo, a diretora Monica Xexéo lembra que “o colecionador de arte tem papel fundamental na construção dos acervos dos museus. O próprio MNBA é herdeiro de um conjunto significativo de obras de arte, reunidos a principio por colecionadores brasileiros”.

JPEG
Henri Moret - Colheita de Feno (Mostra Colecionismo)

Exposição: O Colecionismo no Brasil - Eugène Boudin e os Barões de São Joaquim
De 25 de julho a 28 de dezembro de 2017

Inauguração : terça-feira 25 de julho às 15h.
Aberto de terça à sexta-feira das 10 às 18hs;
Sábados, domingos e feriados das 13 às 18 horas.
Ingressos: R$ 8,00 e R$ 4,00 (meia). GRÁTIS AOS DOMINGOS.
Telefone: (21) 3299-0600
Facebook: MNBARio / Site: www.mnba.gov.br
Assessoria de imprensa do MNBA: 3299-0638 Nelson Moreira Junior
Para maiores informações sobre a exposição:
http://mnba.gov.br/portal/imprensa/novidades-do-museu/130-orgulho-do-mnba,-cole%C3%A7%C3%A3o-eug%C3%A8ne-boudin-volta-a-ser-exposta.html

publié le 24/07/2017

haut de la page